Saiba quem é o professor de educação física indiciado por crimes sexuais contra alunos em escola em Goiás

0 0

Declarações de amor à família, fotos com estudantes e postagens religiosas fazem parte dos perfis de Pedro Leandro. Indiciado tem 34 anos e morava em Goiânia, onde foi preso.

Declarações de amor à família, fotos com estudantes e postagens religiosas fazem parte dos perfis do professor de educação física e treinador de vôlei Pedro Leandro Castro Pereira Araújo, indiciado por crimes sexuais contra 18 alunos, em Anápolis, a 55 km de Goiânia. Segundo o delegado Jorge Bezerra, Pedro era professor na unidade desde 2018.

O g1 entrou em contato com a defesa do suspeito, mas não teve retorno até a última atualização desta matéria.

Pedro tem 34 anos, é pai, é casado e morava em Goiânia, onde foi preso no dia 15 de setembro. Nas redes sociais, Pedro também compartilhava registros com alunos em campeonatos e mensagens de incentivo aos estudantes.

TUDO SOBRE O CASO:

Professor de educação física é preso suspeito de passar a mão nas partes íntimas e estuprar alunos dentro de escola
Estupro de aluno autista e toques íntimos em ‘massagens’: entenda como agia professor de educação física suspeito de crimes sexuais
Professor de educação física é indiciado por crimes sexuais contra alunos dentro de escola
Ainda segundo o delegado, os alunos foram vítimas do professor em épocas diferentes, mas todos de 2020 até a atualidade. “Alguns saíram do vôlei por conta disso”, completou.

Indiciamento
O professor foi indiciado por crimes sexuais contra 18 alunos, de 13 a 19 anos. Segundo o delegado Jorge Bezerra, a prisão dele foi convertida para preventiva na última segunda-feira (9).

Pedro foi indiciado na quinta-feira (5) pelos crimes de estupro de vulnerável, importunação sexual, homofobia e submissão da criança ou adolescente a vexame, ou constrangimento. Ele também era investigado por posse de material pornográfico envolvendo adolescentes, mas não foi indiciado por esse crime.

“A perícia nos aparelhos dele ainda não foram concluídos, mas ela pode ser entregue até a instrução criminal com o juiz”, explica Bezerra.

O delegado revela ainda que outros alunos foram ouvidos pela polícia, mas, até o momento, o professor foi indiciado pelos crimes cometidos contra 18 deles. “Ele foi indiciado por estupro contra dois alunos, uma série de importunações sexuais e constrangimentos, além de homofobia contra três”, detalha.

Jorge Bezerra explicou que o professor ainda pode ser indiciado por mais crimes após a conclusão da perícia nos aparelhos eletrônicos dele e se comprovado mais vítimas. Na época da prisão, o Colégio Couto Magalhães, um dos colégios onde Pedro trabalhava, informou que o treinador foi desligado da instituição.

Relembre

O investigador afirma que a forma de cometer os crimes era sempre a mesma. Eles aconteceram na escola e durante caronas oferecidas pelo suspeito aos alunos. O professor fez sexo oral em dois alunos, sendo um deles autista, e tocou as partes íntimas dos alunos durante massagens.

Além disso, o professor usava termos pejorativos e discriminatórios para tratar a sexualidade dos alunos. “Ele constrangia algumas vítimas utilizando termos chulos referentes à sexualidade, ainda que as vítimas não fossem homossexuais ou, sendo homossexuais, chamava de ‘gay’, ‘bicha’”, completou.

Os crimes começaram a ser investigados após alunos denunciarem os abusos à escola, que chamou a polícia. Por fim, Bezerra disse que novas vítimas ainda podem denunciar o caso por meio do (62) 3328-2700 ou presencialmente no Grupo Especial de Investigações Criminais (GEIC): (62) 3328-2700.

 

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *